quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Dez Motivos para nunca deixarmos de Viajar

Istockfotos

1. É o melhor investimento em nós mesmos

Gosto é gosto e cada um usa sua grana do jeito que achar melhor. Mas pensando bem, o rico dinheirinho deixado na viagem nunca será mal aplicado. Um carro milionário e ostensivo só serve para desvalorizar e chamar atenção nos faróis. Roupas de marca fazem você parecer uma vitrine ambulante e elas sairão de moda e ficarão gastas de qualquer forma. Seu investimento em um cabelo sedoso e uma pele maquiada também se perdem depois de um bom banho com água e sabão! Um IPhone não é nada mal, mas a belezinha também desvaloriza e entre ver o deserto na telinha ou enfiar seu pezão na areia, a aventura in loco ainda está com bônus.


2. São memórias e recordações só nossas

Istockfotos
Enquanto as coisas materiais se entulham e perdem seu valor, tudo que foi vivenciado e observado em uma viagem ninguém lhe tira. Não importa o quanto a vida dê voltas ou o mundo puxe seu tapete, aquelas lembranças sempre farão parte de você, da sua personalidade e visão de mundo. Mesmo que sua casa pegue fogo e não reste nem mais uma mísera fotografia. É como cursos e estudos em geral. Fica tudo ali na sua cachola. Não há medo em perder o status do “ter” porque seus maiores pertences não são mesmo palpáveis. 

3. Aprendemos a ser mais flexíveis

Istockfotos
Sabe aquele arroz com feijão que muitas pessoas não abrem mão? O mamãozinho do café da manhã com suco fresco de laranja? A gente exercita constantemente o “let it go”! Não faz sentido procurar um restaurante brasileiro na Ásia, certo? Uma vez no inferno, a melhor coisa é mesmo abraçar o diabo. Não precisa comer o que não gosta, mas estar aberto a experimentar é o espírito. Se comemos ovos, legumes e massa, porque não arriscar uma sopa com todos esses ingredientes com um aspecto peculiar no café da manhã? A gente viaja para ver o diferente e não replicar nossos hábitos do outro lado do planeta. 

4. Desenvolvemos a capacidade de abrir mão do conforto

Istockfotos

Não dá para passar a noite no Saara, deslumbrar o céu com a maior quantidade de estrelas já vistas pelos nossos olhos, e ainda querer chuveiro! Ou aquecimento, ou banheiro com descarga ou serviço de quarto. É também bem pesado carregar sapatos, maquiagens, secador de cabelo e bolsas... Assim, a gente vai aprendendo a viver com pouco e a investir na filosofia do “menos é sempre mais”. 

5. Além de aguçarmos nosso entendimento sobre outras culturas

Istockfotos
Isso foi só um jeito educado para dizer que a gente sai do nosso quadrado, nos libertamos da nossa bolha, das nossas verdades e concepções. Imagina entrar num carro todo receoso porque o motorista usa vestido branco de mangas compridas e turbante? Sim, a gente tem preconceito, um monte deles. E imagina mordermos a língua porque dividimos as experiências mais legais e divertidas de toda uma viagem ao lado dessa pessoa estranha? Até empurramos juntos um veículo encalhado no deserto! Esse é só um exemplo de como o contato com o diferente é a melhor forma de quebrar nossas verdades absolutas. 

6. Perdemos o medo das coisas 

Istockfotos
E se o trem não for esse? E se a reserva do hotel não foi confirmada? E se essa não for a rua? E daí? É só pegar novamente o comboio para o local correto, procurar outra cama para descansar e pedir informação sobre o destino final. Nada é irreparável, não há o que temer. Às vezes até descobrimos coisas bem legais quando erramos aqui, ali e acolá. 

7. Deixamos de lado besteiras como “isso não é para mim” 

Istockfotos
Não é porque você não fala inglês fluente, italiano, francês ou mandarim que não pode se arriscar por aí. Será, aliás, muito mais divertido. Também não é porque você não caga dinheiro que não pode economizar para cair no mundo de tempos em tempos. Olha lá o item um. Tudo é uma questão de prioridades. Se você não é uma senhorinha de 95 anos, que nunca andou de avião e tem muitos problemas de saúde, não tem desculpa. Quer decolar? Então encare a vida e pare de lengalenga. Sonhar, planejar e realizar deve ser para todos. Inclusive pra a vovozinha quase centenária. 

8. Nos tornamos pessoas mais leves

Istockfotos

Contratempos acontecem e a gente para de ficar resmungando sobre eles como se fosse o fim do mundo. Sim, é bem provável que um taxista te enrole, alguém te dê um troco errado, exija uma caixinha não combinada previamente, coloque uma bebida a mais na conta... Com a experiência aprende-se a não cair em tantas roubadas, mas nem sempre dá para evitá-las. No fim, é só aprender com o tombo e continuar o trajeto sem ficar remoendo o euro perdido aqui ou ali. Leveza. 

9. Viciamos em experimentações 

Istockfotos
Com o tempo, não bastará mais viajar. Será preciso ter um certo receio. Desembarcar em um lugar onde não entendemos nada da língua, da cultura, do modo como a cidade é estruturada. Quanto mais estranhamento o outro nos causa, mais rica será nossa experiência. É aquela viagem em que penamos todo santo dia para atravessar a rua, comprar qualquer coisa ou para descobrir como se come todas as esquisitices que caem em nossos pratos.  

10. Mas sem deixar de valorizarmos nosso cantinho 

Istockfotos
Quem nunca sentiu falta da sua ducha ou cama limpinha? Mesmo os andarilhos profissionais devem ter um espaço para chamar de seu. Pode ser onde está sua mala, a pessoas amada, um banco da praça no interior. Depois de muito tempo na estrada é natural alegrar-se por saber que temos para onde voltar. Um retorno com a alma e mente renovadas. 

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...